22 de agosto de 2008

minha natureza





Seria melhor se cada um soubesse as possibilidades e medidas do outro. Assim, ninguém se magoaria esperando do outro aquilo que ele não pode dar. Tento até hoje perceber a medida alheia e nunca pedir. Não quero pedir o abraço, o afago ou a atenção. Muito menos exigir que o outro me traga um sorriso, mesmo que forçado. É a natureza humana que vale, ou melhor a disparidade de naturezas humanas. Cada uma com suas peculiaridades.
E eu tenho as minhas. Tenhos os meus propósitos e meus despropósitos. E adoraria que as pessoas fizessem comigo como faço com elas, respeitar a medida de cada um. Detesto e penso que é inválido tudo aquilo que é forçado, retirado as forças.
Nunca dei valor a formalidades sociais, a compromissos impostos por um certo padrão social. Não, não forço meus amigos, ou minhas amadas pessoas a seguirem à risca tais comportamentos. Respeito, mas sinto muito que seja esperado da minha pessoa mais além do que eu posso e desejo doar.
Não tenho intenção de magoar, mas é da minha natureza. Eu gosto de me distanciar às vezes. De ficar quieta e pronto. Gosto do meu tempo, do meu canto, gosto de mim e da minha companhia, que por muitas vezes me basta. Talvez seja difícil entender e eu não peço que entenda, apenas justifico.

Ananda Sampaio***

2 comentários:

Ana Amélia Teixeira disse...

Por isso que as vezes eu fico dando desculpas pra mim mesma e tentando compreender cada lado, cada um é cada um, por isso é de tamanha importancia "entender" e respeitar as vontades de cada qual;
bjuxx!!!

Luciana disse...

Ananda, é fascinante como você 'se percebe'.

Peculiaridades nossas de cada dia.

Amo-te
=*