20 de outubro de 2008

Minha Mudez




"Meu coração é um filme noir projetado num cinema de quinta categoria. A platéia joga pipoca na tela e vaia a história cheia de clichês." Caio F.



Se eu pudesse escolher, algumas coisas simplesmente não existiriam, ficariam presas no nada e em nada me afetaria. Mas, é contra a lei da vida poder calcular os passos e as conseqüências das muitas coisas que não compreendemos. Eu tenho muita coisa a dizer, muita mesmo. E o que eu não digo, o que eu nunca falo fala ainda mais sobre mim. Estranho pensar que alguém pode ser construído de silêncios. Que pessoa inodora, talvez.



Mas, é assim que acontece. São as minhas limitações e toda minha grande dificuldade de dizer claramente as coisas. Eu gosto do silêncio e das mensagens que são em si mudas. Mas, também me apeguei ao mistérios. Ao mistério de ser aquilo que se é.Talvez por um medo louco de se tornar piegas, comum e previsível. Sempre detestei me imaginar como alguém extremamente calculável.



E ao mesmo tempo que eu me reduzo, ou numa visão otimista me amplifico no som agudo do silêncio muitas coisas me são mostradas. Coisas que não se diz, mas que estão grudadas por todos os cantos, em todos os lugares. E não fique estarrecido. Elas sempre estão por aí.


E ser silêncio é talvez amar em silêncio. Sofrer em silêncio. Acreditar em silêncio. Nesse mundo de fortunas e de coisas valiosas que podem transformar um vagabundo em rei. Eu escolho as palavras. Sim, sim as escritas. Prefiro-as sem esconder minha predileção. Elas são também mudas. Talvez sejamos irmãs, quem sabe?





Ananda Sampaio***

3 comentários:

Thyago David. disse...

Ow .. misterios de um 'ser',
preferêcias e detalhes;

Muito muito bom.
Se da bem com as letras,muito bem!


Beijos.

Hércules Frota disse...

Interessante o blog. Parabéns!

Cynthia Osório disse...

olha de mudez em entendo...
"É so mistério não tem segredo", ja canta Marisa e eu concluo que o silêncio às vezes fala mais alto,e que certas palavras são dispensáveis.Não é o caso dessas suas!