8 de julho de 2010

Ensaio sobre alguma coisa



Hoje senti saudade, não de você, mas de tudo que estava ao nosso redor e hoje não está. Senti vontade de sentir aquilo que eu sentia. Beijar teu rosto sempre tão frio. Mas, sabe já não somos o que fomos e já não sou mais o que era. O mundo girou, feito bola, louca, passos esparsos. Ainda bem, dirão. Graças a Deus – agradecerão.

São os desígnios de alguém, chamado Destino ou Acaso. Tanto faz... certo é que passado, amassado está. Com letras borradas no fundo do lixeiro. É muito investimento, de tempo, de vida. É muita troca, moedas diferentes. O jornal de hoje enrola o peixe de amanhã.
E vamos seguindo talvez cabisbaixos. Quem sabe? Existem possibilidades. Quem sabe um dia nos cruzamos pela rua, perguntas frívolas serão feitas. Teu olhar terá mudado, teus olhos mais cinza... Filhos, casa, comida e roupa lavada.


Sonhos que de tão distante adormeceram, cansados pobrezinhos. Não temos culpa, ninguém tem. Bonequinhos do Destino, teatro de Deus, percalços humanos. Gostei de você, fiz parte da sua vida, na minha te dediquei um capítulo. Cheio de palavras que por mais belas que sejam, são apenas sombras.
Quero te ver feliz, um dia desses parados no mesmo sinal, mas você não se dá conta de mim... Eu te vejo, te espio. O semáforo está verde, avance.... adeus!

Ananda Sampaio***

4 comentários:

Anônimo disse...

Não pode haver tradução maior do que eu tenho sentido nesses últimas dias, do que o que eu pude contemplar agora com tuas palavras.

Anônimo disse...

Infelizmente não podemos controlar tudo e por mais que amemos alguém, o destino as vezes nos separa dessa pessoa, então só nos resta desejar a sua felicidade.

Mary disse...

Lindo seu blog :)

Luciana disse...

Primeira bez aqui e amei!
Escreve muito bem,me li no seu texto.